fbpx

Follow us on social

Copel - blockchain

Projeto da Copel permite a comercialização descentralizada de energia por meio da blockchain

Compartilhe com seus amigos

A Companhia Paranaense de Energia (Copel Distribuição) está conduzindo um projeto junto ao Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD) para desenvolver uma solução baseada na tecnologia blockchain. O objetivo é implementar um marketplace descentralizado que permitirá a comercialização direta de energia elétrica entre consumidores e prosumidores (aqueles que produzem e consomem sua própria energia) em um ambiente de geração distribuída. 

Com o uso da blockchain, será possível que desconhecidos comprem e vendam energia elétrica no marketplace de maneira segura, rápida e sem intermediários.

Separador de texto - Bitcoin.

O gerente do projeto por parte da Copel Distribuição, Frank Toshioka, afirma que essa mudança será positiva:

“Trata-se de uma nova relação comercial que tecnologias disruptivas como o blockchain tornam possível. Nesse caso, os prosumidores passam a dispor de opções economicamente mais atrativas para remunerar o excedente de energia injetada no sistema de distribuição, o que tende a impulsionar a expansão da GD (geração distribuída)”.

Separador de texto - Bitcoin.

O projeto, que iniciou em agosto deste ano e deve durar 21 meses, conta com recursos do programa de pesquisa e desenvolvimento regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica.

Gustavo Klinguelfus, gerente de Pesquisa & Desenvolvimento da Copel, afirma que a ideia desse projeto é preparar as empresas de energia para “as mudanças estruturais motivadas pelas transformações no setor elétrico, em particular pelos movimentos de descentralização, que incluem a geração distribuída, de digitalização e de mobilidade elétrica”.

Separador de texto - Bitcoin.

A CPQD empresa que desenvolve tecnologias de produtos e de sistemas para instituições será a responsável pela geração do novo marketplace para a Copel, pela operação do sistema, pelo desenvolvimento da rede blockchain e pela criação de simuladores para provas de conceito.

Klinguelfus destaca que o projeto é um passo importante para a empresa em direção à massificação de geração distribuída no país e conclui: 

“Por meio da prova de conceito, das análises realizadas e do uso de tecnologias habilitadoras como o blockchain, será possível avaliar o comportamento dos agentes no marketplace, suas interações com as empresas de energia, as questões econômicas, regulatórias, tributárias e comerciais associadas, o que irá gerar importantes contribuições não só para a Copel como também para o setor elétrico nacional”. 

 

Cadastre seu e-mail para receber notícias e novidades em primeira mão.

Gostou desse artigo? Seja o primeiro a ver outros conteúdos como esse.


Compartilhe com seus amigos
About The Author

Somos a vanguarda da informação sobre Bitcoin e altcoins no Brasil.Desde 2013, fazemos iniciantes entenderem o que é criptomoeda e como funciona a blockchain e ajudamos especialistas a tomar decisões de investimento por meio de conteúdo original e notícias relevantes sobre as diferentes moedas digitais. Para isso, tornamos o conhecimento acessível em artigos, tutoriais, vídeos, podcasts e newsletters. Neles, informamos diariamente o valor do Bitcoin, Ethereum, Bitcoin Cash, Litecoin ou outros ativos, acompanhamos a movimentação do mercado de Bitcoin e seus efeitos sobre outras criptomoedas, avaliamos exchanges, moedas e outros projetos, trazemos especialistas para explicar conceitos e acontecimentos, e ensinamos desde operações básicas, como comprar Bitcoin, até mais complexas, como montar uma máquina de mineração.Se você quer ser o primeiro a saber disso tudo, acompanhe nossas redes sociais.